domingo, 3 de agosto de 2008

Água que passarinho não bebe, mas que sapo...



Todos os dias, a vasilha de água dos cachorros amanhecia com uma bolotinha preta flutuando. Parecia um gelo – meio estranho - boiando no drink! Hum, era melhor nem pensar o que seria aquilo... Já dava até pra imaginar, mas será? Quanta ousadia!
Dito e feito! Num belo dia, o mistério foi definitivamente desvendado! O fazedor das bolotinhas recheadas com carapaça de besouro e asa de mosca (blergh) foi pego no flagra: um sapo enorme de gordo e com uma cara de pau maior ainda usava a tal vasilha como latrina!
Os cachorros? Bom, eles ficavam com um pouco de nojo, mas quem mora na roça está mesmo sujeito a esses contratempos. Já o sapo, depois de descoberto, nunca mais ousou chegar perto. A graça da traquinagem havia acabado...
Hoje em dia, a vasilha ainda é cobiçada, mas não mais como latrina... Algumas maritacas usam o pote de água como banheira. Afe! As maritacas já anunciam de longe que vêm chegando para um longo banho. São tão limpinhas que lavam até em baixo das asas, entre os dedos das patas...
A água não está mais contaminada com coliformes fecais, mas mesmo assim não deve ser nenhuma maravilha beber água com gosto de pena...

Essa é uma história real, alguns nomes foram poupados para evitar possíveis constrangimentos.

6 comentários:

Lina Gatolina disse...

Ah, os bichos...
nem precisa morar na roça para ver coisas estranhas.
Maritacas são muito atrevidas. Uma vez acabaram com uma "plantação" de girassóis que eu tentei fazer. As quatro plantinhas tiveram suas flores devoradas em questão de minutos, com um barulho que lembrava crianças na mesa de brigadeiros.
abraços verdes
Denise

disse...

A minha história com maritacas tem um ar de Hitchcock: estava dormindo quando um bando pousou na janela do meu quarto. Alucinadas, as maritacas ficaram bicando minha janela, que ganhou alguns pequenos furos na parte de plástico!
Medo...

Silvia disse...

com maritacas ainda não tive problemas... mas com bem-te-vi e quero-quero nunca mais chego perto!
Sapos são menos escandalosos! hehehe
Delícia de história!Bjo!

may shuravel disse...

Acho que Mamãe-Natureza não é,na verdade, uma mãe.Tá mais pra tia louca, daquele tipo que todo mundo tem.E que cocô de sapo merece estudos aprofundados.Também tive uma experiência semelhante: encontrava, todos os dias, no mesmo lugar(embaixo da rede), um cocozinho esquisito.Demorei pra descobrir o autor, outro exemplar de sapo-cagão.Metódicos, os tipinhos.
bj
may

Paula Akkari disse...

Obrigada pelos comentários no meu blog!
Adorei a idéia de fazermos alguma coisa juntas! Vai ser divertido!
Você vem para o lançamento do novo livro da Silvana Tavano?
Gostei da histórinha!!! Nunca pensaria que o "culpado" era um sapo!!!
Beijos Paulinha

paulinha.akkari.zip.net

Maria Amália Camargo disse...

Meninas, fico feliz em saber que existem outras pessoas vítimas das maritacas ou de outros seres de penas enlouquecidos...
O depoimento de vocês foi reconfortante e também assustador: crianças na mesa de brigadeiros, ares de Hitchcock, ataques de quero-queros, sapos-cagões cagoetas...
Será que o roteirista daquela novela da Record se inspirou no comportamento das maritacas para criar os "Mutantes"? Afe!

Paulinha! Eu é que agradeço sua visita...
Acho que vou ao lançamento da Silvana sim. Será que a gente se encontra por lá? Tomara! Ficarei feliz em te ver de novo.

Beijos para todas!!!!