sexta-feira, 17 de setembro de 2010

O barbeiro


Um conhecido iria passar uma longa temporada viajando a trabalho. Na saída de São Paulo, debaixo de um calor de rachar, reclamava da vida e da enorme cabeleira que cultivava há meses.
Então, num ato de loucura, jurou pelas águas do Tietê que procuraria um barbeiro assim que chegasse ao destino.
Pois, eis que seis meses depois, o conhecido bate à minha porta com uma longa trança, à la Rapunzel.
“Mas você não ia cortar o cabelo na sua chegada ao interior?” E com uma cara bastante assustada, ele sentou e suspirou: “É que nos quatro únicos salões da cidade, havia sempre os mesmos dizeres na porta: CORTO CABELO E PINTO”.

3 comentários:

Carla Caruso disse...

Amaglia!

pobre rapaz ao pé da letra!

Maria Amália Camargo disse...

Ragazza,
O rapaz se livrou de uma barbeiragem...

Silvana Tavano disse...

imaginou? que barbaridade, kkkkkkk.